segunda-feira, 8 de junho de 2009

"Monte do Mel" - Um amigo em Portugal!!!

As vezes o acaso nos proporciona muitas surpresas agradavéis. Estava eu a pesquisar na internet sobre as doenças existentes nas abelhas de ferrão, em especial a Apis Melifera, e me deparei com um blog Português muito interessante, rico em informações sobre essa espécie, do Prezado Amigo Joaquím Pífano, da região de Alentejo - Portugal.

No decorrer da leitura, observei que existia um tópico que fazia erradamente referências as minhas amadas Jandaíras, o autor sem saber (pois recebeu o comentário de um amigo apicultor do Brasil) tratava uma colónia de Boca de Sapo como se fosse Jandaíra, na mesma hora eu comentei o equívoco.

Pouco tempo depois recebi o e-mail do amigo Joaquim, agradecendo a correção e ainda solicitou que eu escrevesse para o seu blog:"www.montedomel.blogspot.com" alguma coisa a respeito das abelhas nativas do Brasil. Feito o convite, redigi alguns comentários a respeito de minha experiência com as ASF e algumas comparações com as minhas meninas com as dele.

Do mesmo modo, estou a retribuir a gentileza, solititei que escreve alguns comentários a respeito de suas experiências com as abelhas de ferrão.


"Cortiços, as colmeias tradicionais de Portugal"



Olá amigos do Meliponário do Sertão,
estou a escrever sobre as antigas colmeias usadas em Portugal para a produção de mel de Apis mellifera. É uma forma de agradecer a cortesia do amigo Kalhil França que a meu pedido enviou um texto sobre meliponicultura para o meu blog que poderão visitar em http://montedomel.blogspot.com .Saibam que é uma honra poder contribuir com algo para o Meliponário do Sertão, blog que achei EXCELENTE logo na primeira visita.

Os cortiços, cada vez mais as “colmeias malditas”, já não há cartilha apícola que não lhe atribua defeitos, problemas só resolvidos pelas caixas de madeira. A saber:
1-Pouco produtivos pela falta de espaço, os melhores com 10% da produção das colmeias móveis. 2-De difícil controlo sanitário, pela dificuldade/impossibilidade de acesso ao interior. 3-Impossibilidade de encontrar/manipular a rainha, pelas razões do ponto anterior. 4-Medicamentos aplicados na própria câmara (única) de produção. 5-Transumância impossível ou muito difícil.6-E outros que não me ocorrem...

Restam-lhes os argumentos estéticos, talvez até a leveza e os baixos custos, que permitem uma fácil aquisição e a possibilidade de os disseminarem pelo mato para a captura de enxames. “Se os roubarem a perda é pequena”, dizem os apicultores.
Não foi a primeira batalha perdida pela cortiça, nem será decerto a última, o orgulho da terra Transtagana, que antes animava a economia nacional com exportações record. Hoje não passa de uma casca rija e enrugada, igual á pele dos “tiradores” que ainda restam. Eram precisamente esses tiradores, de machada em punho, que separavam os melhores “caneiros” e os apartavam da restante cortiça, não fosse o “rachador” fazê-la em “pranchas”. Se não eram “abelheiros” a encomenda era-lhes feita por outros com esse vício. Quando a cortiça era boa, “amadia”, densa, um cilindro quase perfeito, originava os melhores e mais cobiçados cortiços, de forma obviamente cilíndrica. Eram os mais comuns:



Os bordos eram “aparelhados” em bisel, de modo que os “sovinos” de pau de Esteva os pudessem pregar e unir sem lhe tirar a forma.





No interior, a um terço e dois terços da altura eram colocadas as chamadas “trancas”, grupos de duas varas de Esteva em forma de cruz, cujo objectivo era dar maior firmeza aos favos que nelas se apoiavam.



As mesmas trancas ainda delimitavam áreas com funções diferentes no interior do cortiço, nomeadamente onde o apicultor operava diversas tarefas:
“Estinha” - No fim do Inverno, era o acto de cortar a parte de baixo dos favos, próxima do chão. Servia para retirar as ceras velhas, negras e com bolor, para as abelhas reporem ceras novas. Estas eram cortadas até à altura das trancas de baixo, outras vezes nem tanto.

“Cresta”- O retirar dos favos com mel, “no quarto minguante de Agosto, quando não havia criação”. Primeiro arrancavam os sovinos do tampo, para o poderem remover, depois, com a ajuda da “crestadeira”, utensílio metálico que lembra uma gadanha, “ceifavam” os favos carregados de mel até às trancas de cima.
A crestadeira tem duas extremidades, uma em forma de espátula com que separam os favos da cortiça, e outra que lembra uma gadanha com que seccionam os favos junto às trancas.





A forma dos cortiços também dependia muito da região e das tradições, outras vezes era a qualidade e a disponibilidade de cortiça. Quando não se “apanhavam” caneiros redondos, cilíndricos, faziam-se cortiços de formas mais caprichosas. Meia cana pregada a uma prancha mais recta, que normalmente fazia de parede frontal, resolviam o problema e albergavam o enxame. Não são raros os que apresentam esta forma:



Menos comuns, mas igualmente belos, são os de secção quadrada ou rectangular. “Têm mais mão de obra”, são necessários mais pregos de Esteva, mas o resultado é funcional e muito estético. E as abelhas não se queixam da geometria rectilínea...



Outras habilidades que se faziam com os cortiços...

Sempre ouvi dizer aos mais velhos que o método mais eficaz para combater a “tinha” era o de colocar os cortiços no forno, após a “cozedura do pão”.
A “tinha” ou traça era o pesadelo dos antigos abelheiros, ainda nem se sonhava com a Varroa, como se tal ácaro colorisse os sonhos a alguém, e já aquelas larvas destruíam imensas colónias. Sempre que “morria um cortiço” retiravam-se os favos velhos, cuja cera era “apurada” para vender aos “carpinteiros de obra fina”.
Para desinfectar as colmeias colocavam-nas dentro do forno, quando as temperaturas ainda letais para a traça e outras moléstias, eram mais baixas, o que só se conseguia momentos depois de retirar o pão.



Depois de desinfectados, os cortiços estavam outra vez prontos para albergarem abelhas. Para as capturarem, aromatizavam-nos esfregando plantas aromáticas no interior, como o Rosmaninho, a Esteva e o Alecrim, ou outras, consoante a região do país.
Após a “esfrega”, que também higienizava, deixavam-lhe o bouquet de flores e aromas no interior para acentuar a função. Só as retiravam quando colocavam o cortiço no “tal sítio” especial, onde os enxames “nunca falham”, pudera, a “canada” das abelhas passava justamente por ali...



O sítio especial compunha-se quase sempre de um rochedo enfeitado de vegetação, mato fechado, que podia esconder o cortiço dos amigos do alheio, sendo no entanto fácil de detectar pelo olfacto apurado das abelhas.
Nesta fase o ramo de flores, facto curioso, era deslocado do interior para cima do tampo, onde se mantinha graças a uma pedra estratégicamente colocada e que evitava que o vento as levasse. Ainda hoje não percebi, nem procurei saber, se tal hábito visa manter o aroma activo ou camuflar ainda mais a colmeia, se calhar... ambos. Mas trata-se de um quadro muito comum.



Nem sempre a “montanha ia a maomé”, muitas eram as vezes que tinha de ser o cortiço a “ir às abelhas”. Bastava para isso que o enxame pousasse num ramo alto e de difícil acesso, o que nunca desmotivava os abelheiros.
Uma corda lançada sobre o ramo içava o cortiço até perto das abelhas. Uma escada de madeira, que costumava fazer parte da “mobília” do apiário e uma ponta de coragem, levavam o apicultor aos píncaros, onde um toque certeiro derrubava o enxame para dentro do cortiço. Paciente, o ajuda descia o conjunto, agora mais pesado. Colocava-o na posição correcta e aí ficava até ao Inverno, quando as ceras ficavam “rijas” e lhe permitiam o transporte para local definitivo.



Haviam também os criativos de vanguarda, ou talvez... vanguardistas saudosos!? que aliavam estas relíquias da apicultura às modernas alças para maiores produções.
O resultado final desafiava a gravidade e a lógica, mas mercê de vários artifícios conseguiam equilibrar uma e até mais alças sobre o cortiço.

Muitas eram as perícias e habilidades que se faziam com tais colmeias de quadros fixos. Com o passar dos anos, as fracturas, os buracos da traça ou os incêndios traçavam-lhes o destino, ainda assim honrado pela “morte em combate”. Pior era quando acabavam como ninhos num pombal ou cortados ao meio e “de cabeça para baixo”, albergando um florido vaso, onde antes labutavam miríades desses insectos que nos adoçam a vida.

Apesar de tudo, os cortiços continuam a ser muito utilizados para a criação de abelhas em Portugal, e ainda bem que há quem os mantenha...

Comentários em http://montedomel.blogspot.com

2 comentários:

  1. Amigo França, então que acha dos nossos cortiços? são uma autentica obra de arte, um autentico conjunto de sabedoria, acha que são capazes de se adaptar às abelhas indígenas?

    Abraço
    Ferradela

    ResponderExcluir
  2. Olá amigo,

    Realmente eu fiquei muito imprecionado com esses cortiços, sim, acho que podem se adaptar, mais é preciso realizar algumas alterações, principalmente no tamanho, mas é possível.

    Kalhil Pereira

    ResponderExcluir

Comentário aqui: