terça-feira, 11 de março de 2014

Manejo: discos maduros x discos novos

Estamos ansiosos para o nosso 1º Curso de Meliponicultura em Mossoró/RN (22 e 23 de março). Na verdade, esse trabalho será o resumo aprimorado de todas as nossas capacitações já realizadas ao longo desses 10 anos de criação. Nossa expectativa, pela quantidade de inscritos, é receber um público significativa no intuito de divulgar a maravilhosa arte de criar abelhas sem ferrão.

Uma das curiosidades no manejo das abelhas será a demonstração e correto manipulação de discos de cria para formação de novas colônias. Aqui trago apenas uma pequena explanação das características e cuidados necessários durante a manipulação dos discos de cria para divisão.

Observando a foto abaixo, podemos notar dois grupo de discos bem distintos, um mais escuro e outro grupo mais claro. O grupo mais escuro é composto por postura recente, também chamada de "discos verdes". Esse conjunto de células deve ser manipulado com muito cuidado, pois é muito sensível, amassam com facilidade devido a grande presença de alimento larval e ovos pequenos.

Esse conjunto de cria não serve para a formação de novas colônias, pois as células desse conjunto ainda estão em fase inicial de desenvolvimento. Goram com facilidade, por isso devemos evitar, acima de tudo, bater ou virar esse conjunto para não afogar os ovos no alimento larval.

 
Já o segundo grupo é formado basicamente por abelhas em fase final de desenvolvimento, são células de cria onde o ovo já passou por todas ou quase todas as fases da metamorfose necessária a criação da abelha. São, do mesmo modo que os primeiros, sensíveis a toque, podem amassam se não forem manipulados com cuidado, contudo são mais fáceis para serem retirados da caixa, pois não se rompem com a mesma facilidade dos discos escuros.


Percebam que no conjunto de discos que seguro, os dois grupos de discos estão em postura padrão (sobrepostos), na medida que as abelhas formam os discos, os mais velhos, que seguram os mais recentes por meio de pilastras de cera, se tornam maduros e adequados para utilizarmos no processo divisório.

Curiosamente, existem postura contínuas em espiral, que serão demonstradas durante nossas aulas. Durante o curso ensinaremos todas as técnicas necessárias ao bom manejo e os conhecimento básicos de biologia das abelhas sem ferrão. 

att,

Mossoró, 11 de março de 2014.


Kalhil Pereira França
 Meliponário do Sertão 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentário aqui: