terça-feira, 21 de junho de 2011

Desorientação de campeiras durante mudança do local do enxame

É muito comum eu receber pedidos de informações de como proceder para mudar a caixa de lugar, tanto para distâncias pequenas como para grandes distâncias. Antes de adentrar no assunto cabe aqui uma informação pessoal. A literatura científica sobre essas abelhas afirma que nas espécies maiores (meliponas) o raio de atuação seria algo em torno de 3 km, já para as menores (trigonas) essa distância seria mais ou menos 1km.

 

Pessoalmente, acredito que a Jandaíra não chega a tamanha distância assim, já observei jandaíras coletando polén a 900 metros de distância do meliponário, mas nunca a tamanha distância. Todavia acredito que Uruçu, pelo seu porte e capacidade, certamente é capaz de até ultrapassar os 3 Km.

Mesmo sendo capazes de percorrerem grandes distância é preciso esclarecer que as abelhas ao sairem ao campo para forragear possuem nas suas cabeças um mapa gráfico com indicativos já pre-determinados da localização exata do enxame.


Dessa maneira qualquer pequena alteração por menor que seja na localização exata da entrada do ninho pode provocar uma certa desorientação nas abelhas. Por isso não recomendo que se façam mudanças de localização dos enxames em pequenas distâncias.

A maneira correta de mudar um enxame de lugar, por menor que seja a distância do local de origem é levar primeiramente o enxame para um lugar bem distante além de 1km. A essa distância as abelhas ao sairem da caixa não terão nenhuma referência de orientação e imediatamente farão um primeiro voo de orientação em busca de novos sinais gráficos que possam facilitar o novo endereço.


Deixe a caixa nesse novo local por pelo menos 15 dias, isso é tempo suficiente para que as abelhas esqueçam todas as referências do antigo endereço e passem a decorar o local exato do novo lar.


Depois desse tempo o enxame pode retornar para o local escolhido onde as abelhas farão novamente todo o processo de memorização dos "novos" indicativos de referência para sua orientação.

att,

Mossoró-RN, em 21 de junho de 2011.

Kalhil Pereira França
Meliponário do Sertão 

7 comentários:

  1. aconteceu uma coisa interessante, algumas abelhas(jandaira) se instalaram algumas horas atrás de uma das caixas, não entendí o por quê da reunião.
    outro dia aconteceu a mesma coisa na casa do meu sogro, alguns dias depois encontramos uma familia nova instalada numa caixa de apis que estava vazia.

    ResponderExcluir
  2. Amigo, isso se chama enxameação, a colônia cresceu muito e precisa liberar uma família, nessa época do ano isso é muito comum.
    A Jandaíra é das abelhas sem ferrão do tipo melipona que mais tem capacidade de enxamear, não é raro os relatos de meliponicultores que conseguiram novos enxames de forma naturalmente.

    att,
    Kalhil

    ResponderExcluir
  3. Olá amigo. Olha, qualquer dia desses vou lhe mandar um e-mail pedindo orientações quanto a essa mudança de local de caixas, ou meliponários inteiros, pois pelo que pesquisei e vc está a nos colocar, uma distância maior na transferência se torna mais viável para não haver muitas perdas de campeiras. E nós, no nosso meliponário, estávamos transferindo caixas segundo uma técnica que pesquisamos que seria vedar a entrada da colônia com uma tela, deixar fechada por uns dois ou três dias, a fim das campeiras perdessem a memória dos pontos de referência anteriores e começarem a utilizar ou memorizar os novos pontos de referência do novo local em que a colônia foi transferida. O problema é que a distância de um local ao outro, no nosso caso, era de apenas 30 metros, e pelo que vc nos expôs, ainda há o risco de perdas. Mas, pela técnica que comentei acima, notamos que depois de dois dias com a colônia fechada, poucas campeiras voltavam ao local anterior à transferência, mas havendo uma forma em que esse risco seja menor na perda de campeiras, essa forma será bem-vinda, pois estamos na iminência de transferir o meliponário para uma distância de 30 metros. Um abraço. Fco Mello
    P.S. - recebi a sua confirmação no e-mail e aguardarei a encomenda. Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Prezado Francisco,
    O meu relato é para evitar a perda de qualquer campeira, mas se pode como o amigo mesmo disse fechar o enxame por alguns dias, eu mesmo recomendo uma semana, e depois levar o enxame para um local mais próximo, mas mesmo assim haverá desorientação e perdas.
    O único jeito de não perder nenhuma abelha é levando enxame para bem longe, como explicado no tópico.

    att,

    Kalhil

    ResponderExcluir
  5. Aqui aconteceu algo parecido comigo,
    comprei duas colônias de um senhor que morava há uns 300 metros de minha casa. No dia seguinte, as campeiras todas voltaram para o lugar onde as colônias estavam. Levei-as de volta para lá e as trouxe novamente durante a noite, deixei-as fechadas por uns sete dias, mas não teve jeito, as abelhas sem retornavam para seu antigo dono, como se não gostassem de mim, rsrs
    Me arrependi de não ter levado as colônias para Natal, já que perdi praticamente metade da força das duas colônias.

    Raul Rodrigues

    ResponderExcluir
  6. Gostaria de saber o que acontece com as abelhas que permanecem no local onde estavam, mesmo após a retirada da caixa para outro lugar

    ResponderExcluir
  7. Geralmente entram em outras caixas, se forem aceitas, ótimo, não sendo são mortas.

    ResponderExcluir

Comentário aqui: