segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Quis ajudar e só levou aperto, rsrs!!!

Prezados colegas.

Vejam essa história que serve apenas para ilustrar o comportamento das abelhas sem ferrão:

Estava eu estudando o comportamento de postura das Tíubas, que por sinal é bem diferente das Jandaíras, e me deparei com seguinte cena.

A rainha inicia o ritual de postura determinando que as obreiras façam o enchimento da célula de cria com alimento; após as obreiras realizarem a colocação do alimento ela ordena que as obreiras rainhas coloquem ovos alimentares, plenamente obedecido, a rainha come 4 ovos tróficos (ovo alimentar real) seguidos e coloca o seu ovo, que por sinal é mais gordinho que o da obreira rainha.

Após colocar seu ovo, realiza o mesmo procedimento por 5 vezes consecutivas, sem intervalo, era terminando uma célula e inciando a postura em outra, sempre comendo de 3 a 4 ovos alimentares.

Na 6ª vez que ela iniciou o processo uma coisa diferente aconteceu, quando ela foi colocar o 6º ovo ela não consegui, saiu da célula deu mais umas duas baforadas (a baforada dentro da célula libera feromônio Juvenil que impede o desenvolvimento do genes de rainha, ou seja, daquela célula nascerá uma obreira e não princesa)... tentou de novo, mais uma vez ela não consegui, acho que falou assim:- poxa, não tó bem!!! Mas sou brasileira e não desisto nunca!!!

Tentou por mais 3 vezes e não consegui. Saiu da célula e foi ovopositar em outra;
(Ela não consegui pois talvez o ovo seguinte ainda não estivesse pronto para ser liberado, mas como elas está sendo estimulada a ovopositar está a todo tempo determinando a construção de células de cria).

Quando ela saiu de cima da célula de cria a obreira rainha (que era pangolim: pangolim é o nome dado pelo Mestre Cappas as obreiras rainhas dominantes, geralmente são as de maior forma) se aproximou e observou que rainha não tinha realizado a postura, sabem o que ela fez????

Assumiu o lugar da rainha e determinou (através do mesmos comandos) que a obreira que estava com a rainha colocasse mais alimento, duas outras obreiras colocaram um pouco mais de alimento, uma terceira veio e colocou um ovo alimentar, a obreira dominante comeu esse ovo e ovopositou o seu ovo.

Nesse intervalo a rainha já estava iniciando outro processo de postura no disco superior de forma normal. Quando lá de cima do disco ela viu que as obreiras rainhas estavam realizando um ritual de postura. Sabem o que ela fez???

Rapaz foi muito engraçado!!! Ela desceu do disco e saiu correndo batendo as asas freneticamente (esse comportamento de bater as asas dessa maneira indica que a rainha está a liberar o feromônio corporal real, este feromônio é típico da elite real, exclusivo da rainha fisiogástrica) em direção ao ritual de postura da pangolim, quando chegou lá, abriu a boca e deu uma baforada na cara da pangolim meio que dizendo assim: Ei porra, tá doida??? Quem manda nessa parada aqui sou eu!!!

(Na verdade, nessa última baforada a rainha libera o Feromônio Mandibular Real -FMR, indicando a pangolim que quem é a rainha é ela, e que esse comportamento da pangolim não é permitido, rs)

A Pangolim ficou atordoada, abaixou a cabeça e a rainha passou a descer o sermão, batendo com as patas dianteiras na cabeça da Pangolim e abrindo e fechando a boca.

(O ato de bater levemente com as patas dianteiras cabeça das obreiras-rainhas significa que a rainha está literalmente passando o seu cheiro para aquela obreira-rainha, a rainha, na verdade, ao bater alisa os pelos da cabeça da abelha passando o seu cheiro de dominância para que aquela abelha passa a circular com o cheiro da rainha, espalhando nos 4 quanto da colônia que aquele cheiro é o real.)

Uma outra obreira que acompanhava a rainha veio do seu lado e retirou quase que no "braço" a obreira que já estava celando a célula que tinha sido posta pela pangolim. A bichinha deve ter dito assim: Calma!! Que que eu fiz de errado??!1??

Em seguida, uma outra obreira fiel da rainha veio por trás dela e abriu a célula de cria e comeu o ovo da pangolim. A rainha então tentou realizar a postura novamente e dessa vez conseguiu. rs.

Eu acho que aquela pongolim nem era rival da rainha, pelo contrário, pois eu percebi que ela até estava fazendo parte dos rituais anteriores das rainhas, mas como a rainha não tinha conseguido colocar o ovo dela eu acho que ela quis "ajudar", deve ter pensado assim: há, se ela não conseguiu, eu vou por o meu aqui para não disperdiçar o trabalho da galera.

Algumas obreiras comuns devem ter concordado: Pô, é isso mesmo, tanto trabalho pra nada, vai lá que a gente te ajuda. (as duas obreiras que encheram de novo a célula para a pangolim).

Mas aí a rainha, com ciúmes, decidiu que NÃO, deve ter por fim pensado assim: AQUI É BAGUNÇADO MAS TEM GERÊNCIA, RSRS!!!!! Quem manda aqui sou eu e pronto, rsrs!!!!

att,

Um abraço a todos,

Kalhil Pereira França
www.meliponariodosertao.blogspot.com
Mossoró-RN

___________________

Cappas disse...

Prezado Kalhil ,

Gostei muito dessas suas observações, agora já sei que mais alguém observa o que eu vejo(rsrssrsrsr). Isto que conta acontece também em outras Meliponas. Claro que em Jandaira a coisa é bem diferente pois se baseia em regras sociais também algo diferentes ( Afinal a jandaira é uma Melipona da Seca ).

O amigo errou só num ponto: A rainha mãe ordena para que obreiras normais coloquem ovos alimentares. Pois o trabalho de uma obreira é colocar ovos alimentares. Ou seja ovos colocados antes do ovo da rainha mãe. Neste processo não entra as obreiras rainhas a botar ovo.

As obreiras rainhas colocam ovo só depois da rainha mãe ter colocado o seu ou então numa célula em que a rainha não fez postura , como o amigo relatou e bem nesta historia. ( Mas neste caso a sua pangolim não estava colocando ovos férteis na sua perfeição, pois seus ovários ainda estavam algo dominado pelos Feromonas Reais da rainha , é por causa dos Sermões, entende Kalhil ? )

Na Tiuba as obreiras normais colocam ovos alimentares típicos ou seja ovos inférteis . Em algumas colónias órfãs não nasce nada pois as obreiras rainhas ficam de tal maneira castradas que não conseguem colocar ovos férteis viáveis , isso porque muitas obreiras rainhas se neutralizam. Se por algum motivo aparecer uma líder que consiga dominar e coordenar as elites , podem nascer machos, mas pelo que sei é raro.


Como podem ver é o Feromona Mandibular Real a actuar, agora quem pode dizer que ele não existe ?

Esse método de bafo com sapateado é uma forma muito violenta de Sermão.

Como pode ver amigo Kalhil a rainha mãe passava as patas pelas suas mandíbulas a uma alta velocidade para estas ficarem bem perfumadas antes do batuque na cabeça dessa pangolim.

[...A Pangolim ficou atordoada, abaixou a cabeça e rainha passou a descer o sermão, batendo com as patas dianteiras na cabeça da Pangolim e abrindo e fechando a boca...]

Nesse momento ela abre e fecha as mandíbulas para fazer descarregar o Feromona Mandibular Real , pois ao abrir espreme a glândula mandibular ... o abrir e fechar a boca é uma forma de ordenhar a glândula.

Dr. João Pedro Cappas
Portugal


Prezado Mestre, venho me dedicando a fundo ao estudo do comportamento das meliponas, principalmente dos rituais de postura, pra mim é um prazer observar esses detalhes comportamentais que são inerentes as ASF.

Há muito a se descobrir no mundo das abelhas sem ferrão...

Um grande abraço e obrigado pela orientação no presente estudo.

att,

Kalhil Pereira França

www.meliponariodosertao.blogspot.com


Wilhans H. Pereira disse...

amigo Kalhil,
Muito bom seu relato amigo, vejo que vc é um ótimo observador do comportamento das asf!
Eu achei muito legal o jeito com que vc conta o q viu, principalmente as falas das abelhas! hehehe
Parabens amigo, continue assim sempre alegre!!!
Abraços!


Obrigado Wilhans, na verdade, ao estudar os rituais de postura eu tento pensar com as abelhas, rsrs. Mas certamente as "falas" são bem mais complexas que a singelas frase por mim pensadas..

att,

Kalhil

2 comentários:

  1. Prezado Kalhil ,

    Gostei muito dessas suas servações, agora já sei que mais alguém observa o que eu vejo(rsrssrsrsr). Isto que conta acontece também em outras Meliponas. Claro que em Jandaira a coisa é bem diferente pois se baseia em regras sociais também algo diferentes ( Afinal a jandaira é uma Melipona da Seca ).

    O amigo errou só num ponto: A rainha mãe ordena para que obreiras normais coloquem ovos alimentares. Pois o trabalho de uma obreira é colocar ovos alimentares. Ou seja ovos colocados antes do ovo da rainha mãe. Neste processo não entra as obreiras rainhas a botar ovo.

    As obreiras rainhas colocam ovo só depois da rainha mãe ter colocado o seu ou então numa célula em que a rainha não fez postura , como o amigo relatou e bem nesta historia. ( Mas neste caso a sua pangolim não estava colocando ovos férteis na sua perfeição, pois seus ovários ainda estavam algo dominado pelos Feromonas Reais da rainha , é por causa dos Sermões, entende Kalhil ? )

    Na Tiuba as obreiras normais colocam ovos alimentares típicos ou seja ovos inférteis . Em algumas colónias órfãs não nasce nada pois as obreiras rainhas ficam de tal maneira castradas que não conseguem colocar ovos férteis viáveis , isso porque muitas obreiras rainhas se neutralizam. Se por algum motivo aparecer uma líder que consiga dominar e coordenar as elites , podem nascer machos, mas pelo que sei é raro.


    Como podem ver é o Feromona Mandibular Real a actuar, agora quem pode dizer que ele não existe ?

    Esse método de bafo com sapateado é uma forma muito violenta de Sermão.

    Como pode ver amigo Kalhil a rainha mãe passava as patas pelas suas mandíbulas a uma alta velocidade para estas ficarem bem perfumadas antes do batuque na cabeça dessa pangolim.

    [...A Pangolim ficou atordoada, abaixou a cabeça e rainha passou a descer o sermão, batendo com as patas dianteiras na cabeça da Pangolim e abrindo e fechando a boca...]

    Nesse momento ela abre e fecha as mandíbulas para fazer descarregar o Feromona Mandibular Real , pois ao abrir espreme a glândula mandibular ... o abrir e fechar a boca é uma forma de ordenhar a glândula.

    Dr. João Pedro Cappas
    Portugal

    ResponderExcluir
  2. Wilhans H. Pereira7 de dezembro de 2009 09:43

    amigo Kalhil,

    Muito bom seu relato amigo, vejo que vc é um ótimo observador do comportamento das asf!

    Eu achei muito legal o jeito com que vc conta o q viu, principalmente as falas das abelhas! hehehe

    Parabens amigo, continue assim sempre alegre!!!

    Abraços!

    ResponderExcluir

Comentário aqui: